sexta-feira, 17 de março de 2017

Take it with humor - Bowie wasn't right....

Até o eterno David Bowie já conhecia a ZEBRA... But he wasn't right....😄



Ao contrário de que ele intitulava a música, eles são “Absolute Professionals”.  

Keep on charting!

video


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Campinas: Exportação avança 12% em janeiro....

Campinas: Exportação avança 12% em janeiro....

e boa noticia é informação (correio popular, 26 de fevereiro de 2017, pág.A2)


Porém, esta boa noticia poderia ter mais informativa através da escolha certa na visualização dos números. Como podemos ver, a tabela não acompanha a mensagem principal oferecendo a percentagem calculada. Fica por conta do leitor de verificar este dado.


E ao fazer isso encontra uma discrepância entre o valor na tabela e no destaque (que neste lugar deve ser errado). Será que esta pequena falha de redação prejudica a credibilidade do artigo?



Nos seguintes passos queremos mostrar como a legibilidade e o conteúdo de informação podem ser ampliados através de algumas simples modificações.

Uma tabela básica de valores como usada no artigo e no nosso exemplo inicial atende com certeza uma visão geral sobre a evolução da situação.

Porém, através da inclusão de itens gráficos podemos aumentar significativamente o entendimento dos dados: Num olhar só é possível enxergar a evolução e as relações entre os componentes. Assim ganhamos mais tempo para a analise e interpretação dos dados.


Através de números relativos fica mais fácil de mensurar o impacto.


Como se trata no nosso exemplo de dados de uma série de tempo a sugestão da IBCS é apresentar os dados graficamente num gráfico de colunas. E na combinação com gráficos de desvios percentuais podemos ter uma visão mais completa. Aqueles 12% de crescimento de exportação (no nosso exemplo 13% por causa de arredondamentos) em relação ao janeiro do ano anterior mostram só um pequeno detalhe dentro de um quadro muito mais complexo: O mês atual apresenta o menor saldo negativo na balança comercial. O crescimento das exportações vêm em cima do pior valor anterior dos últimos 5 anos e o recuo nas exportações e importações dos últimos anos mostra que a nossa economia vai mal mesmo. E por último podemos observar que a atividade econômica da nossa cidade não é focada em exportações.



Fazer analises em cima de uma determinada constelação de dados como no nosso caso onde comparamos só os dados de janeiro de vários anos sempre contém o risco de tirar conclusões incompletas. Neste caso o detalhamento mensal de um ou vários anos ou o uso de valores anuais acumulados facilita uma visão mais profunda.


Incluir os valores mensais de um ano já ajuda muito no entendimento da situação. Porém, melhor ainda seria ampliar o intervalo para 3 ou 5 anos ainda. Interessante para o leitor com certeza seria uma comparação com outras cidades do mesmo tamanho para poder avaliar a gravidade da situação por exemplo. Enfim, aumentar a densidade de informação resultaria em inúmeros efeitos positivos para o leitor.


Ao invés de optar por uma tabela só, um gráfico da seguinte forma poderia ter trazido muito mais conteúdo ao artigo. E nem por isso viraria algo cientifico e continuaria ainda sendo "popular".





terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Visualização em Excel

O site http://www.wisevis.com/ do Jorge Camões oferece uma ampla variedade de informações sobre o tema de visualização de informações. Um aspecto muito interessante são as sugestões de varios tipos de gráficos todos realizados com Excel.










terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Modelo DuPont numa planilha Excel.

Recentemente achei um pequeno artigo do Lauro Jorge Prado no LinkedIn Pulse (https://www.linkedin.com/pulse/modelo-dupont-em-planilha-excel-lauro-jorge-prado) sobre o modelo DuPont numa planilha Excel.
Chamou a minha atenção pois estava trabalhando também sobre KPIs e sua visualização no Excel.

Gostei da ideia de usar cores para visualizar a origem dos dados e a sinalização de mostrar o caminho do cálculo. Na minha opinião mesmo usando estes recursos ainda fica difícil para o leitor ver a real grandeza dos números e fazer as comparações. Um modelo DuPont com o uso de gráficos de barras para a comparação do valor atual com aquele do ano anterior e a disponibilização dos valores de origem talvez ajuda melhor ainda na legibilidade da visualização destes dados. Obrigado Lauro pela iniciativa.






quinta-feira, 24 de novembro de 2016

KPI charts no padrão IBCS

Na contribuição anterior mostramos alguns exemplos de KPI charts selecionados pelo Chandoo.
Hoje queremos mostrar alguns exemplos de KPI charts de dados financeiros aplicando o formato IBCS. Como se trata somente de dados atuais e do período anterior todos os indicadores podem ser apresentados em forma de barras com os dados básicos no lado esquerdo e os indicadores resultantes na direita.


Os charts básicos


.... com a composição do indicador...


... e destacando os componentes.


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

KPI Charts & Dashboards

Num dos mais completos sites sobre Excel, no site do Chandoo (chandoo.org) achei algum tempo atras uma interessante contribuição sobre a visualização de Key Performance Indicators (KPI) em dashboards.



Formam selecionados 43 contribuições, que podem ser analisados e baixados no seguinte link (http://chandoo.org/wp/2015/11/23/kpi-charts-dashbaords/).


Em seguida mostramos 3 dashboards que receberam um elogio do Chandoo.










segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A very common chart type.... To color or not to color? - II


O Prof. Ricardo Martins fez alguns interessantes comentários sobre o tema:
 
Essa decisão depende de alguns fatores:
 
1. econômico : é preciso imprimir preto e branco, como num jornal?
 
2. semântico : de que maneira fazer P&B auxilia o entendimento? Segundo o livro Interaction of Color, do Josef Albers, não é a cor ou ausência dela que informa e sim a relação entre as cores
 
3. prático : usar poucas cores pode ser mais rápido e ágil. Mas deve se levar em conta o uso que será feito do material. Alguns usos exigem a cor, especialmente em materiais digitais
 
4. estético : antes mesmo de ler a informação, o cérebro já formou uma impressão positiva ou negativa do conteúdo. Isso pode criar uma atitude desfavorável com o material, especialmente se o concorrente usa cor de maneira mais atraente.
 
Contatos
no LinkedIn
no Blog dele